Versos Condenados



::: Versos Condenados ::: by André Victtor


Sim, eu confesso...

Foi aquela paixão, fulminante e sem juízo.
Que ignorou os estatutos e o aviso.
Me expulsando pra sempre do seu paraíso.

Sim, eu confesso...

Que a criatura era linda e sagaz.
Cheia de amor, de um desejo voraz.
Que me transformava no amante eficaz.

Sim, eu confesso...

Perdendo o meu posto de governante.
Não era mais eu, me tornei um errante.
Condenado a viver numa cela distante.

Sim, eu confesso...

Que a sua visita surgia do nada.
Anjo, demônio, mulher amada.
Sempre desnuda, carnuda e alada.

Sim, eu confesso...

Que ao rolar com ela, quebrei minha asa.
A dor era intensa, queimava igual brasa.
Mas aqui e agora, me sinto em casa.

Sim, eu confesso...

Que agora entendo que sou prisioneiro.
De um sentimento humano e traiçoeiro.
Capaz de controlar o universo inteiro.


* * *

* Pintura: "L'eterno addio" de Roberto Ferri.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar deste Blog !
Seu comentário será exibido em breve !